quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Resignação


Há dias em que um céu de chumbo desaba sobre nós. É então que o impossível acontece desfazendo as quimeras cuidadosamente moldadas em argila feita de ilusão e crença.
Os sonhos são pulverizados em pequeninas partículas que nem a esperança mais persistente conseguirá voltar a unir numa forma coerente. E, enquanto esse pó paira no ar, pedimos a um deus qualquer para fazer com que o tempo acelere o seu ritmo e mitigue a dor que nos aflige. Mas, os minutos pegajosos arrastam-se numa lentidão exasperante permitindo o pulsar constante dessa mágoa que queremos arredar para longe.
Procuramos refúgio no choro convulsivo interrompido pelos gritos mudos do que deveríamos ter dito. A chuva cai e o ribombar do trovão persegue a luminosidade do relâmpago, é a tempestade que se apodera da nossa vida.
Buscamos companhia e planeamos viagens, mas não há palavras de amigos ou distância que consigam aplacar o desespero que se instala.
Lá fora o mundo implacável continua a girar indiferente ao drama que nos tomou conta da alma. Todos seguem em frente, não param para nos deixarem consertar os sentimentos quebrados.
Impotente para mudar o que quer que seja, também sigo em frente, à deriva, até que a resignação chegue...

10 comentários:

Apenas eu disse...

Nem tudo na vida corre ao ritmo do que se passa fora de nós. nem sempre somos capazes de o demonstrar. mesmo quando o mundo nos desaba em cima da cabeça. continuamos a andar e ninguém espera que a gente o conserte. A dor fica. A mágoa é azeda e sabe mal. mas nós continuamos á deriva.porque tal como tudo o resto o tempo é fundamental para nos deixar assimilar erros ou distracções.
espero que essa nuvem saia depressa de cima da tua cabeça. que o sol volte a entrar e que o temporal se afaste.
Mas tem força. porque Tu precisas de TI.

beijo

A Palavra Mágica disse...

Olá CRISTINA,

Não sou de fazer comentários longos. Aliás nem vou comentar. Deixo as letras das músicas "Quando a chuva passar", de Ramón Cruz, gravada pela Ivete Sangalo e "As aparências enganam", de Tunai e Sérgio Natureza, gravada pela Elis Regina. Desculpe ocupar tanto espaço.

Beijos!
Alcides

Quando a Chuva Passar

Pra que falar?
Se você não quer me ouvir
Fugir agora não resolve nada...

Mas não vou chorar
Se você quiser partir
Às vezes a distância ajuda
E essa tempestade
Um dia vai acabar...

Só quero te lembrar
De quando a gente
Andava nas estrelas
Nas horas lindas
Que passamos juntos...

A gente só queria amar e amar
E hoje eu tenho certeza
A nossa história não
Termina agora
Pois essa tempestade
Um dia vai acabar...

Quando a chuva passar
Quando o tempo abrir
Abra a janela
E veja: Eu sou o Sol...
Eu sou céu e mar
Eu sou seu e fim
E o meu amor é imensidão...

As Aparências Enganam

As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam
Porque o amor e o ódio se irmanam na fogueira das paixões
Os corações pegam fogo e depois não há nada que os apague
se a combustão os persegue, as labaredas e as brasas são
O alimento, o veneno e o pão, o vinho seco, a recordação
Dos tempos idos de comunhão, sonhos vividos de conviver
As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam
Porque o amor e o ódio se irmanam na geleira das paixões
Os corações viram gelo e, depois, não há nada que os degele
Se a neve, cobrindo a pele, vai esfriando por dentro o ser
Não há mais forma de se aquecer, não há mais tempo de se esquentar
Não há mais nada pra se fazer, senão chorar sob o cobertor
As aparências enganam, aos que gelam e aos que inflamam
Porque o fogo e o gelo se irmanam no outono das paixões
Os corações cortam lenha e, depois, se preparam pra outro inverno
Mas o verão que os unira, ainda, vive e transpira ali
Nos corpos juntos na lareira, na reticente primavera
No insistente perfume de alguma coisa chamada amor.

Borboleta A disse...

Ainda não me tinha manifestado, mas leio o teu blog, desde que mo apresentaste... Não passei antes porque há dias assim, como os que descreves, em que o cinzento dos dias é intenso e sofrido que chega a doer.

Mas confia, o vento não vai tardar a aparecer e o sol a seu lado para ajudar a erguer os corpos/sentimentos já caídos.

Gosto de passar por aqui.

P-S disse...

Como eu sei de que falas!... Ha alturas na vida em que tudo o que nos resta é que o dia de amanha chegue e outro e o outro...

CrisTina disse...

Não podemos desistir de esperar pelo Sol... um dia vai brilhar de novo. Obrigada pela visita Apenas Eu

Bjs

CrisTina disse...

Olá Alcides. Os teus comentários nunca são longos mas sim oportunos. Quanto às músicas são lindas.
Bjo

CrisTina disse...

O colorido de uma Borboleta ajuda-nos a animar os dias...
Bjo

CrisTina disse...

P-S um dia vamos querer que o tempo fique parado para saborear a vida... eu acredito que sim...

Luís Filipe C.T.Coutinho disse...

não existe resigna~ção no momento em que apenas decidimos viver...


ps: obrigado pelo teu comentátio




beijo

Isa disse...

Nunca podemos desistir, mesmo que às vezes pareça que o mundo vai desabar.

Fica bem e vai em frente, sempre.

Beijos