sábado, 13 de junho de 2009

Voltei

Voltei, apenas para vos dizer que ainda estou por aqui.
Desiludida, com vontade de desistir, mas de pé!
Precisei do silêncio e de conversar comigo. Tentei tomar decisões e acabei a acatar o que decidiram.
Estou sem rumo, mas conheço o caminho.
Quase perdi a voz, mas o silêncio também fala!

6 comentários:

acutilante - frank verlag disse...

Desistir... nunca. O silêncio é talvez uma das melhores formas de comunicação. Principalmente quando "conversamos" connosco.

P' disse...

Gostei muito do que escreveveste.
Ve-se que tens força , coragem !

A Palavra Mágica disse...

Cristina,

Coisas que você já sabe (Dez vezes triste)

Vai ser triste acordar de manhã
E não ver você do meu lado
Andar pela casa pelado
Sem você pra debochar da minha nudez.
Vai ser triste não ter você
Pra dividir o sabonete e o creme dental
Brigar pelo café que você não fez
Ou comentar assuntos do jornal.
Vai ser triste sair de casa
E ter que levar as duas chaves
A caminho do trabalho pensar em você
E só lembrar das palavras fatais:
- Não te quero mais!
Vai ser triste ao meio dia
Lembrar dos seus telefonemas:
- Te amo, um beijão!
Triste querer gritar
E ter de engolir em seco
O arroz e o feijão.
Vai ser triste chegar em casa
E não ter você para abraçar.
Triste depois do jantar
Só ter um prato para lavar.
Vai ser triste acordar de madrugada
Com a tevê ainda ligada
Triste ir para a cama
Sem ter você para beijar.
Sei que não vou morrer por isso,
Mas vai ser triste passar mais um dia sem você.

Bem vinda à vida. Lágrimas caem, Cristina, para que valorizemos mais o sorriso. E você vai voltar a sorrir.

ACREDITE!

Beijos!
Alcides

PS. Não sei se já te enviei este poema, mas pelo comentário que fizeste em meu blog, achei pertinente.

CrisTina disse...

Olá Frank!
Por vezes desistir é a mais corajosa das decisões...
Bjo grande e obrigada pelo e-mail.

CrisTina disse...

Obrigada pela Visita P....

CrisTina disse...

Alcides,
Sentimos falta, saudade... mas a verdade é que quando as palavras já não têm eco nem retorno deveríamos antes sentir alívio.
Mas o mundo dos sentimentos é irracional...
Bjão